ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Sob Temer, Brasil ganha 1,5 milhão de miseráveis em 12 meses

Sob Temer, Brasil ganha 1,5 milhão de miseráveis em 12 meses

Publicado no dia 13 de Abril de 2018
Image
Foto: 
PT no Senado

Em 12 meses, o Brasil ganhou 1,5 milhão de miseráveis. Sob o governo de Michel Temer, entre 2016 e 2017, a pobreza extrema aumentou 11,2%. Se antes eram 13,34 milhões de brasileiros que viviam nessa situação, no ano passado, esse número aumentou para 14,83 milhões, o que significa mais de duas vezes a população total da Bulgária. A chamada reforma trabalhista de Michel Temer seria o principal responsável pela degradação do índice.

Os números, divulgados pelo jornal “Valor Econômico” nesta quinta-feira, são referentes a um relatório elaborado pela LCA Consultores, que trabalhou com dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística) nesta semana.

De acordo com Cosmo Donato, consultor da LCA responsável pelo estudo, a expectativa era de que o crescimento de 1% do Produto Interno Bruto em 2017 pudesse ter produzido números melhores.

Para ele, o fechamento de postos de trabalho com carteira assinada, que têm garantias trabalhistas e pisos salariais, é a razão pela qual isso não aconteceu. Assim, pode-se supor que o desmonte da legislação trabalhista posto a cabo pelo governo Temer fará com que estes números de miséria aumentem ainda mais.

Assim, o que se verifica é que, além do número de desempregados continuar muito grande – 13 milhões de pessoas –, as poucas vagas criadas são informais, “de baixa remuneração e ganho instável ao longo do tempo”. O ajuste fiscal, que desidratou o investimento público, também tem sua parcela de culpa nesse cenário.

Seguindo uma linha de corte utilizada pelo Banco Mundial, a LCA considerou em pobreza extrema os brasileiros que viviam com renda domiciliar per capita inferior a R$ 133,72 mensais em 2016 e, em valores atualizados pela inflação, com menos de R$ 136 em 2017.

O aumento da pobreza extrema se verificou em todas regiões e aconteceu apesar do ciclo de deflação dos alimentos, principal despesa entre a população mais pobre.

Os dados do IBGE já haviam mostrado, nesta quarta-feira (11), que a renda média recuou no país, mas em menor proporção que os rendimentos daqueles que estão na base da pirâmide social. Os 5% mais pobres da população tiveram rendimento médio real de R$ 40 por mês em 2017, uma queda de 18%, na comparação com 2016, quando era de R$ 49. Já para o 1% mais rico, o rendimento médio encolheu menos, 2,3%.

Durante os governos do PT, as notícias sobre pobreza e desigualdade eram bem diferentes. Os dados mostram que, entre 2002 e 2014 – período que inclui as gestões de Lula e o primeiro mandato de Dilma –, 36 milhões de brasileiros saíram da situação de extrema pobreza.

Hoje, depois do impeachment, Michel Temer e o até semana passada Ministro da Fazenda Henrique Meirelles celebraram com pompa e circunstância o pífio crescimento do PIB, que chamam de retomada do crescimento. Creem que isso, que consideram “bons resultados” da economia, lhes credencia para chegar ao Palácio do Planalto – desta vez pelo voto. Apesar do aumento da desigualdade e da pobreza, dizem que colocaram o país nos trilhos.

Da Agência PT de Notícias, com informações do Valor e Portal Vermelho

Fonte:
Site do PT

VEJA TAMBÉM

19/07/2018

Nos últimos meses, começaram a circular notícias de que doenças que eram consideradas erradicadas pela vacinação — ...