ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Saldo da reforma trabalhista: menos 12 mil vagas com carteira

Saldo da reforma trabalhista: menos 12 mil vagas com carteira

Publicado no dia 02 de Janeiro de 2018
Image
Foto: 
Lula Marques

Um mês depois de sancionada, a reforma trabalhista do governo golpista de Michel Temer mostrou a que veio: são menos 12.292 vagas com carteira assinada no Brasil no mês de novembro, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

A última Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua registrou que o Brasil possuía no trimestre de agosto a outubro 12,2 milhões de desempregados.

Como alertado pela oposição durante todos os meses de tramitação do desmonte da CLT, além da precarização, a “reforma” também permite um salário mensal menor que o mínimo através da criação das vagas intermitentes; o aumento de vagas temporárias; redução da remuneração sobre os domingos e feriados trabalhados; perda da força da Justiça trabalhista, deixando o funcionário na mão do empregador.

Os dados, divulgados pelo Uol, mostram um futuro estarrecedor e que pode ficar pior com a aprovação da Reforma da Previdência. Vale lembrar que o governo e a imprensa golpista mentiram ao argumentar que a reforma trabalhista aumentaria o número de vagas de trabalho e reduziria o trabalho informal.

A sanha para implantar a agenda neoliberal no Brasil é tanta que, como lembrou a reportagem do Uol, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, chegou a dizer que a reforma iria criar dois milhões de empregos em 2018.

De acordo com o Caged, o único setor a criar novas vagas em novembro foi o comércio, ainda assim, impulsionado pela Black Friday. Todos os outros setores registraram queda, com destaque para a indústria de transformação que fechou 29 mil vagas e construção civil, com menos 22,8 mil.

Os dados divulgados nesta quarta-feira (27) levam em conta apenas vagas com carteira assinada.

Fonte:
Site do PT

VEJA TAMBÉM

21/12/2018

Imediatamente após a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, que suspendeu os...

21/12/2018

A legalidade da prisão do ex-presidente Luiz InácioLula da Silva, detido desde abril na Superintendência da Polícia...