ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Pimentel: Lula faz caravana e discute com o povo um novo projeto de país

Pimentel: Lula faz caravana e discute com o povo um novo projeto de país

Em pronunciamento, o senador destacou a importância da viagem do ex-presidente pelo Nordeste
Publicado no dia 22 de Agosto de 2017
Image

A caravana Lula pelo Brasil que o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, está fazendo pelo Nordeste foi tema do pronunciamento do senador José Pimentel (PT-CE) nesta segunda-feira (21/8). “Esta caravana tem o objetivo de discutir um novo projeto de Brasil, que devolva a esperança ao nosso povo, às nossas famílias, à juventude”, disse o senador ao apontar os diversos temas que Lula tem debatido com a população.

 

Pimentel, que participou da abertura da caravana, em Salvador, na última quinta-feira (17/8), destacou que “a viagem tem tido participação muito forte do povo, dos trabalhadores, das lideranças sindicais, dos mais pobres, de vários setores da sociedade.”

 

Segundo o senador, “por onde o presidente Lula passa, as comunidades param o ônibus e conversam com ele sobre os principais problemas do país”. Pimentel citou como exemplo diversas políticas públicas criadas pelos governos do PT, que garantiram desenvolvimento ao país e melhoria nas condições de vida dos mais pobres, mas estão sendo desarticuladas pelo governo do presidente Michel Temer e trazendo graves prejuízos ao país, especialmente aos mais pobres. 

 

“Não obstante tudo aquilo que acumulamos ao longo do nosso governo, em razão de uma incompreensão, de um golpe parlamentar, o Brasil infelizmente saiu dos trilhos”, disse. E o senador apontou a saída para os problemas econômicos e políticos do país: “só através de eleições diretas, com um novo contrato social, com nova composição da nossa sociedade brasileira, é que o país vai sair dessa situação vexatória, devolvendo a esperança a nossa juventude, a nossas famílias, estimulando o investimento público e privado, porque só dessa forma o Brasil vai se desenvolver.”  

 

Educação - A educação foi a primeira política citada por Pimentel como exemplo do desmonte promovido pelo governo Temer em relação a importantes projetos estruturados durante o governo do PT. O senador lembrou que, em 2003, o investimento nacional em educação era de 5,7% do Produto Interno Bruto (PIB). O Plano Nacional de Educação, aprovado durante o governo Dilma, prevê investimento mínimo de 10% do PIB no setor. Em 2015 e 2016, esse percentual chegou a 7,1%. Ele destacou, no entanto, que a Emenda Constitucional 95, que trata do teto de gastos públicos e congela a atualização desse valor pela inflação, não vai permitir cumprir as metas do PNE.  

 

Ao destacar a paralisação de diversas obras de novas escolas, creches, institutos federais profissionalizantes e universidades em todo o país, Pimentel afirmou: “Lamentavelmente, o que a gente assiste hoje é faltar papel higiênico nas escolas técnicas federais, nas universidades. E isso ocorre porque o Estado brasileiro resolveu trilhar um outro caminho, o caminho da recessão, do desemprego. Como disse o programa de um partido político que foi ao ar na semana passada, que é base desse governo: o caminho da cooptação”, disse.

 

Segundo Pimentel, “esse é um debate muito forte na caravana por onde o presidente Lula passa. A sociedade deixa claro que precisamos retomar essa política de uma melhor educação, de uma melhor estrutura para que possamos deixar um legado para nossa família, o legado do conhecimento”, destacou.

 

Agricultura familiar - O processo de fortalecimento da agricultura familiar também foi apontado pelo senador como alvo do desmonte promovido pelo governo Temer que têm sido discutido entre o ex-presidente Lula e a população nordestina. Segundo Pimentel, os prejuízos decorrem de diversas medidas, entre elas o fechamento de agências dos bancos públicos.  “Os bancos têm dinheiro, mas não conseguem aplicar porque há a determinação do fechamento das agências, além do custo dos financiamentos que está muito alto”.

 

O senador citou como exemplo o Banco do Nordeste (BNB) que, em 2016, deixou de aplicar R$ 1,5 bilhão do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE) por falta de condições operacionais. “Neste 2017, a previsão é que vão sobrar mais de R$ 2 bilhões para uma região que necessita de investimento, de desenvolvimento”, informou.

 

Salário mínimo - A mudança do valor do salário mínimo a ser pago em 2018 também foi citada por Pimentel como um dos temas de debate da população com Lula. “Aquela política de ganho real do salário mínimo, que permitiu elevar seu valor e dar poder de compra aos quase 25 milhões de aposentados e pensionistas do país, deixou de existir. Com seu novo pacote fiscal, o governo Temer tira R$ 10,00 do salário mínimo, usando o argumento de que os aposentados precisam contribuir para recuperar a situação fiscal do país, quando, na verdade, vai dar o dinheiro aos bancos”, concluiu.

 

Caravana – Desde o dia 17 de agosto até 5 de setembro, o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, percorre 25 cidades dos nove estados do Nordeste. O objetivo de Lula é conversar com a população e os movimentos sociais brasileiros sobre a realidade local e debater alternativas para retomar um modelo de desenvolvimento econômico com inclusão social no Brasil. Todo o debate servirá como subsídio para a elaboração do Plano de Governo do PT, a ser submetido ao povo brasileiro na eleição presidencial de 2018.

VEJA TAMBÉM

21/12/2018

Imediatamente após a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, que suspendeu os...

21/12/2018

A legalidade da prisão do ex-presidente Luiz InácioLula da Silva, detido desde abril na Superintendência da Polícia...