ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Orçamento 2019 reduz investimento ao menor patamar desde 2004

Orçamento 2019 reduz investimento ao menor patamar desde 2004

Publicado no dia 20 de Dezembro de 2018
Image
Foto: 
Edilson Rodrigues/Agência Senado

O projeto de lei orçamentária de 2019 (PLN 27/18) – aprovado pelo Congresso Nacional nessa terça-feira (19) – desidrata quase completamente os investimentos federais para o próximo ano, que serão reduzidos aos menores patamares desde 2004. As áreas de infraestrutura e os programas sociais serão os mais afetados com os cortes. Trata-se de uma vitória macabra do consórcio Temer-Bolsonaro, cuja base de apoio aprovou há dois anos a Emenda Constitucional 95 (EC 95), congelando investimentos públicos por 20 anos.

“O projeto de lei orçamentária já veio com uma mutilação dos investimentos em infraestrutura e em programas sociais, devido à Emenda Constitucional 95. Além disso, o relator-geral, mesmo quando fez eventualmente alguma suplementação, como no caso do ‘Minha Casa, Minha Vida’, essa suplementação foi inexpressiva para repor o que havia sido cortado no projeto original em relação aos anos anteriores”, avalia o deputado Afonso Florence (PT-BA), que coordenou a bancada petista na Comissão Mista de Orçamento (CMO).

No caso do “Minha Casa, Minha Vida”, que já vinha sofrendo sucessivos cortes, será o menor orçamento desde 2009. No texto aprovado pelo Congresso, na forma de substitutivo apresentado pelo relator Waldemir Moka (MDB-MS), apenas R$ 4,4 bilhões constam no item “Moradia Digna”, onde estão os recursos destinados ao programa. Vale lembrar que, entre 2009 e 2014, essa área recebeu um total de R$ 217 bilhões – uma média de R$ 43 bilhões ao ano. “O programa está sendo desidratado”, denuncia Florence.

O parlamentar lembra que durante a discussão do orçamento de 2019 a Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara tentou amenizar o problema aprovando uma emenda expressiva da ordem de R$ 2 bilhões para o programa. Porém, ela não foi acatada no relatório final. Sem esses recursos, o reforço orçamentário ao “Minha Casa, Minha Vida” não ultrapassou parcos R$ 100 milhões, decorrente de emenda apresentada pelo relator-geral.

Cortes

Os investimentos que deverão ser feitos pelos órgãos públicos em 2019 – excetuando os valores direcionadas às estatais – somarão R$ 36,2 bilhões. O valor é 22% menor que os investimentos previstos para 2018. Desde 2004, o governo federal não investia tão pouco. Naquele ano, o saldo autorizado foi de R$ 34,2 bilhões. Pela proposta orçamentaria inicial enviada por Temer, o patamar de investimento para o próximo ano seria ainda menor: R$ 26,5 bilhões. Graças a emendas de deputados e senadores, o investimento foi aumentado em R$ 9,7 bilhões.

“São cortes expressivos nas obras de infraestrutura, que envolve área logística, ferroviária, aeroportuária, portuária, metroviária etc. Os cortes no PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] afetarão diretamente a construção civil, que gera emprego, gera renda e roda a economia. Com esses cortes, continuará havendo queda na arrecadação e queda na massa salarial. Portanto, a tendência será aprofundar a recessão já existente”, explica o deputado Afonso Florence.

Bolsa Família

O orçamento previsto para o próximo ano também enfraquece programas como Bolsa Família. Pela proposta orçamentária inicial, dos R$ 29,5 bilhões reservados ao programa, 49,9% estavam especificados como despesa condicionada. Ou seja, o dinheiro só poderia ser gasto após o Congresso aprovar, no próximo ano, um projeto de crédito suplementar. A medida foi muito criticada por comprometer um programa social que atenderá 13,6 milhões de famílias em 2019.

Com a mobilização, os valores foram alterados, o que garantiu que R$ 9,3 bilhões do programa Bolsa Família deixassem de constar como despesa condicionada, passando a ser um recurso com possibilidade de utilização imediata. Restaram apenas como despesa condicionada R$ 6,5 bilhões, o que ainda significa um retrocesso.

Trabalho da oposição

Afonso Florence destaca que o trabalho da oposição – sobretudo do Partido dos Trabalhadores – na discussão do orçamento estruturou-se na contraposição aos cortes em dotações estratégicas ao povo brasileiro e na tentativa de evitar que o futuro governo tivesse uma margem de manobra elevada para alterar o orçamento aprovado pelo Congresso.

Não fosse uma emenda apresentada por Florence, Bolsonaro teria o poder de alterar completamente o orçamento. O inciso V do art. 4º do projeto de lei orçamentária dava ao futuro presidente o poder de mexer em 100% das proposições feitas por parlamentares, relatores setoriais e relator-geral do orçamento.

Trocando em miúdos, é como se o trabalho executado pelo Congresso no aperfeiçoamento da peça orçamentária perdesse todo o sentido. Em decorrência da aprovação parcial da emenda apresentada pelo deputado petista, a possibilidade de alteração caiu de 100% para até 40%. “Conseguimos restringir a possibilidade ampla de mudança que estava prevista no texto original”, afirma.

Por PT na Câmara

Fonte:
Site do PT

VEJA TAMBÉM

21/12/2018

Imediatamente após a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, que suspendeu os...

21/12/2018

A legalidade da prisão do ex-presidente Luiz InácioLula da Silva, detido desde abril na Superintendência da Polícia...