ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Temer extingue Fundo Soberano do Brasil criado por Lula em 2008

Temer extingue Fundo Soberano do Brasil criado por Lula em 2008

Publicado no dia 23 de Maio de 2018
Image
Foto: 
Lula Marques

Criado em 2008 pelo governo Lula para servir como uma espécie de poupança para o país em momentos de crises externas e ajudar a regular o valor do Real, o Fundo Soberano do Brasil (FSB) foi extinto nesta terça-feira (22) pelo governo golpista de Michel Temer. Destruindo as reservas e a soberania do país até a “a raspa do tacho”, Temer quer utilizar os recursos do fundo para o pagamento da dívida pública. O plano estratégico que havia sido formulado para o fundo previa sua consolidação até 2023.

O FSB chegou a ter mais de R$ 26 bilhões de reais em ativos. Nos últimos meses, porém, foi rapidamente dilapidado, chegando a apenas R$ 500 milhões. O último resgate importante feito pelo governo golpista foi de R$ 3,5 bilhões, na primeira semana de maio.

Apesar de não figurar entre os maiores fundos do mundo, o FSB possuía caráter duplamente estratégico, não apenas para financiar medidas anticíclicas como para ajudar a regular o valor de câmbio do Real. Com a extinção do fundo, na prática os recursos que seriam utilizados para investimentos em áreas de interesse público são redirecionados para o sistema financeiro, isto é, prioriza-se os banqueiros em detrimento dos interesses da população e de soberania nacional.

Com a descoberta do pré-sal, o potencial de crescimento do FSB era enorme. Porém, com o desmonte do sistema de partilha e a entrega do petróleo, esse crescimento ficou comprometido. “Claro que tal fato em nada justifica que o fundo seja extinto. Ele deveria ser fortalecido, não o contrário”, afirma o economista Marcio Pochmann, ex-presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicável).

O especialista conta que o Brasil, quando realizou sua abertura econômica nos anos 1990, o fez sem ter criado, concomitantemente, mecanismos de proteção contra crises externas. Assim, o país se viu vulnerável com a chegada das crises do México (1994) e Asiática (1997), por exemplo.

“Foi para reduzir esta exposição brasileira às instabilidades do capitalismo que o Fundo Soberano foi criado. Ele é composto com excedentes comerciais que garantem liquidez de caixa em moeda forte para o país enfrentar turbulências externas e defender seu dinheiro de ataques especulativos”, explica Pochmann.

Segundo a economista e professora da UFRJ Esther Dweck, a ideia do fundo soberano tem a ver com regulação do câmbio, que complemente as reservas internacionais, com custo mais baixo, mas também possui um papel de estabilidade fiscal.

“[O Fundo Soberano] nutre o papel de poder armazenar quando sobra arrecadação. Foi criado em 2008 porque teve uma arrecadação muito forte e ao invés de usar todo o dinheiro para abater dívida, guardava-se no Fundo Soberano. Em 2012 foi usado quando faltou arrecadação. No Brasil tinha função de estabilizar a parte fiscal, não só câmbio”, explica Dweck.

Economia mais fragilizada

De acordo com Pochmann, sem o Fundo Soberano, o Brasil se torna mais frágil, menos capacitado a lidar com crises externas e com menor independência para regular suas próprias questões cambiais. Esther Dweck complementa explicando que o fundo era uma ferramenta útil, que foi extinta por um aporte relativamente pequeno no Tesouro Nacional, que atualmente registra déficit de aproximadamente R$ 137 bilhões.

“Não precisava extinguir para ter R$ 3 bilhões a mais no superávit primário. Extingue-se um instrumento importante. Era uma reserva de dinheiro que poderia ser usada em momentos ruins, aumentava a estabilidade, tornando o país menos sujeito a flutuações econômicas, principalmente de fluxos internacionais”.

O economista Marcio Pochmann pontua exemplifica com o caso da Argentina, que, no início deste mês, enfrentou uma gigantesca fuga de capitais, o que o obrigou a desvalorizar a moeda local em 8% perante dólar. É contra este tipo de ataque especulativo que o Fundo Soberano foi criado.

Neste sentido, o senador  Lindbergh Farias (PT-RJ) afirma que “Temer segue a cartilha do desmonte. Um governo sem visão estratégica, sem legitimidade, cujo único objetivo é atender aos interesses dos bancos e das grandes empresas. Agora quer transformar o Fundo Soberano em pó, abandonando qualquer perspectiva de desenvolvimento econômico de longo prazo e seguindo os passos da Argentina: ortodoxia neoliberal e aprofundamento da crise”.

Como funciona o Fundo Soberano

Estabelecido pela Lei 11.887, o Fundo Soberano do Brasil tinha como objetivo formal promover investimentos no país e no exterior, formar poupança pública, mitigar os efeitos dos ciclos econômicos e fomentar projetos de interesse estratégico do País localizados no exterior.

Pelo projeto original, os recursos do FSB vinham de três fontes: do Tesouro Nacional, por meio de dotações do orçamento anual, e de recursos decorrentes da emissão de títulos da dívida pública; de ações de sociedade deeconomia mista federal excedentes ao necessário para manutenção de seu controle pela União ou outros direitos de valor patrimonial; e dos resultados de aplicações financeiras do próprio fundo.

A lei que criou o fundo ainda estipulava que os recursos decorrentes de resgates deveriam atender exclusivamente o objetivo de mitigar os efeitos dos ciclos econômicos e seriam destinados conforme a lei orçamentária anual. A União também poderia usar os recursos do FSB para participar como cotista única de Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização (FFIE). O FFIE foi criado com caráter privado, porém, com as mesmas finalidades do FSB.

Transparência

Desde a sua criação, o FSB sempre divulgou seus resultados e prestou contas de seus atos à sociedade por meio de seus Relatórios de Administração (semestral) e de Desempenho (trimestral). Ainda com relação à transparência, o FSB foi avaliado pelo Sovereign Wealth Fund Institute (SWFI), sendo reconhecido como um fundo soberano de elevado nível de transparência, recebendo nove pontos de dez possíveis.

O fundo ainda era auditado pelos órgãos de controle interno e externo da administração federal, então representados pela Controladoria Geral da União (também extinta pelo governo Temer) e pelo Tribunal de Contas da União, respectivamente.

Por Pedro Sibahi e Vinícius Segalla da Agência PT de notícias

Fonte:
Site do PT

VEJA TAMBÉM

21/12/2018

Imediatamente após a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, que suspendeu os...

21/12/2018

A legalidade da prisão do ex-presidente Luiz InácioLula da Silva, detido desde abril na Superintendência da Polícia...