ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Pimentel quer preservar recursos da Previdência Social

Pimentel quer preservar recursos da Previdência Social

Publicado no dia 03 de Novembro de 2016
Image

Emenda apresentada pelo senador José Pimentel (PT-CE) à proposta de Emenda à Constituição, que congela investimentos no país por 20 anos, quer evitar a redução de recursos para o pagamento de benefícios da Previdência Social. Pimentel propôs que as despesas com o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) fossem excluídas do limite imposto pela PEC 55. A chamada “PEC da Maldade” estabelece que as despesas públicas só poderão ser reajustadas de acordo com a inflação do ano anterior, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Isso dificultaria a concessão de novos benefícios no futuro.

Na justificativa da emenda, o senador afirma que a mudança do perfil demográfico da população, com o aumento da expectativa de vida, implicará em aumento significativo da despesa previdenciária para que sejam garantidos os direitos já adquiridos e em fase de aquisição. “Portanto, a aplicação da mera correção pela inflação, embora suficiente para preservar, em tese, o valor real das aposentadorias e pensões, implica que novos benefícios só poderão ser concedidos mediante a anulação daqueles que estejam em vigor”, considerou Pimentel. 

Para o senador, a limitação dos gastos com benefícios previdenciários poderá resultar em graves prejuízos à população brasileira. Pimentel também ressaltou que a PEC 55 representa o primeiro passo do governo Temer para viabilizar a reforma da Previdência Social, cujo texto ainda não foi apresentado ao Congresso.

Pimentel apresentou dados para justificar a exclusão da Previdência do teto de gastos públicos. Estimativas elaboradas pelo governo federal e encaminhadas ao Congresso Nacional com o Orçamento da União indicam que as despesas previdenciárias com benefícios do RGPS, em 2016, chegarão a 7,95% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2036, esse percentual será de 10,18%. Já a necessidade de financiamento do RGPS passará de 2,14% do PIB, em 2016, para 4,12% do PIB, em 2036.   

Segundo o senador, esses dados demonstram que “é imperiosa a exclusão das despesas da Previdência Social do limite de gastos proposto”.

O relator da PEC 55 na Comissão de Constituição e Justiça é o senador Eunício de Oliveira (PMDB/CE). Ele manifestará sua posição sobre as emendas no dia 9/11.