ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Aprovada atualização do Simples, mas texto pode melhorar, diz Pimentel

Aprovada atualização do Simples, mas texto pode melhorar, diz Pimentel

Publicado no dia 21 de Junho de 2016
Image

O Senado aprovou nesta terça-feira (21/6) o texto base com as novas regras do Simples Nacional. Os senadores aprovaram o substitutivo apresentado pela relatora, senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), ao projeto aprovado na Câmara dos Deputados (PLC 125/2015 – Complementar). Após votação dos destaques, o texto retornará à Câmara.

Para o senador José Pimentel (PT-CE), “o texto aprovado está muito mais próximo das reivindicações do setor do que estava quando foi aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos, garantindo benefícios aos mais de 10,8 milhões de micro e pequenos empresários do país”. Mas Pimentel destacou que “o momento de dificuldades econômicas impediu avanços importantes para o setor, como a atualização das tabelas do Simples pela inflação acumulada”, considerou.

Negociação conduzida por Pimentel permitiu manter a contribuição dos microempreendedores individuais vinculada ao salário mínimo. “Se a desvinculação fosse aprovada, o reajuste da contribuição poderia aumentar, sem gerar ganho ao microempreendedor”, destacou Pimentel.

O senador também negociou com a relatora a retirada da proposta de recolhimento de contribuição das empresas do Simples ao Sistema S (Senar, Senac, Sesc, Senai, Sesi, Sest, Senat, Sebrae e Sescoop). “Esse recolhimento significaria acréscimo de 7,2% nas despesas das micro e pequenas empresas”, destacou Pimentel.

O senador criticou o aumento da carga tributária para a faixa mais elevada do simples (acima de R$ 3,6 milhões até R$ 4,8 milhões), nos setores do comércio, indústria, serviços e prestadores de serviços. “O ajuste definido neste texto torna impraticável a permanência desses grupos no Simples Nacional e fica até melhor no Lucro Presumido. Espero que essa parte da proposta seja modificada na Câmara dos Deputados”, ponderou. Pimentel citou exemplos da nova tributação que passará de 11,61% para 19% no comércio; de 12,11% para 30% na indústria; de 17,42% para 33% no setor de serviços; de 16,85% para 33% para os advogados; e de 22,9% para 30% para os prestadores de serviços.

Alterações - O texto aprovado aumenta o limite de enquadramento da microempresa no Supersimples e reduz o número de faixas de tributação de vinte para sete. O projeto também trata do aumento do limite de faturamento para o microempreendedor individual (MEI), de R$ 60 mil para R$ 72 mil.

Outra inovação é a criação da Empresa Simples de Crédito. O instrumento permitirá a qualquer cidadão organizado como empresa emprestar seus recursos aos pequenos negócios do seu município. O texto estabelece ainda um parcelamento especial das dívidas tributárias para as micro e pequenas empresas, em até 120 meses. O contribuinte terá 90 dias para aderir.

O texto aprovado também alterou o prazo de vigência das novas regras. Somente a ampliação do prazo para a renegociação das dívidas das empresas do Simples valerá imediatamente após a publicação da nova lei. Todas as demais regras só entrarão em vigor em janeiro de 2018.

Conheça as principais regras aprovadas

Faturamento – O limite de faturamento das microempresas permanece em R$ 360 mil. Já as empresas de pequeno porte terão seu faturamento ampliado de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões.

Faixas de tributação - O texto aprovado estabelece uma cobrança de impostos progressiva, que acompanhe o ritmo de crescimento das empresas do Simples. O número de tabelas também diminui, de 6 para 4 (comércio, indústria e duas de serviços), além da quantidade de faixas em cada uma delas (de 20 para 6).

Microempreendedor - Em relação ao microempreendedor individual (MEI), o projeto aumenta de R$ 60 mil para R$ 72 mil o teto de enquadramento.

Prestador de serviços rurais – O texto aprovado substituiu o termo empreendedor no meio rural por empreendedor que exerça atividades de industrialização, comercialização e prestação de serviços rurais no âmbito rural. O objetivo é garantir que, além do agricultor familiar, os prestadores de serviços possam ser enquadrados no regime especial de tributação como microempreendedor individual (MEI). O projeto prevê ainda que a opção pelo Simples não implicará a perda da condição de segurado especial da Previdência Social.

Dívidas - O texto prevê o aumento do prazo de parcelamento de dívidas no âmbito do Supersimples de 60 para 120 prestações mensais. Essa ampliação terá prazo de duração de 90 dias. Após esse período, o parcelamento voltará a ser em 60 prestações. As parcelas não poderão ser inferiores a R$ 300,00 para as micro e pequenas empresas e a R$ 150,00 para os microempreendedores individuais. Também não poderá haver acúmulo de parcelamentos.

ICMS e ISS – O texto aprovado prevê que o recolhimento do ICMS e do ISS de empresas com faturamento superior a R$ 3,6 milhões será feito fora da guia única do Simples, diretamente pelas receitas municipal e estadual. O objetivo é evitar perdas de arrecadação. Também está mantida a regra já vigente, na qual a empresa optante pelo Simples precisa estar em dia com suas obrigações junto a todos os fiscos (municipal, estadual e federal).

Empresas de crédito – O projeto garante às microempresas acesso ao capital, com a criação das empresas simples de crédito. Essas empresas poderão fazer empréstimos para microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas. O objetivo é aumentar o financiamento ao setor. O âmbito de atuação é municipal e não pode ocorrer captação de recursos no mercado financeiro. A regulamentação das empresas simples de crédito será feita pelo Banco Central.

Bebidas – Permite a inclusão dos produtores de bebidas alcoólicas no regime simplificado de tributação, abrangendo cervejas, vinhos, licores e aguardentes, especificando que sejam micro e pequenas. O texto aprovado exige que essas empresas sejam registradas no Ministério da Agricultura e obedeçam à regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Receita Federal.

Fiscalização – O texto reforça o caráter orientador da primeira fiscalização de micro e pequenas empresas. Ao invés de punir, os fiscais orientarão os empresários sobre as adequações necessárias para que o negócio atenda a todas as exigências do regime simplificado de tributação, até uma próxima visita fiscalizatória.