ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Estudo diz que microcrédito cresceu no Brasil entre 2013 e 2014

Estudo diz que microcrédito cresceu no Brasil entre 2013 e 2014

Publicado no dia 19 de Junho de 2015
Image

Programas públicos de microcrédito são fundamentais para o desenvolvimento econômico do País e necessitam se integrar às ações dirigidas à população de baixa renda e à formalização de mão de obra. Esse é um dos resultados do estudo de avaliação do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO), realizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), em uma cooperação técnica com o Centro de Pesquisas de Opinião Pública da Universidade de Brasília (DataUnB).

O estudo foi divulgado nesta terça-feira (16), durante o seminário "A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva", que ocorreu na Universidade de Brasília (UnB).

O levantamento aponta a necessidade de ampliar a integração de políticas dirigidas ao desenvolvimento social e econômico do País, bem como a troca de informações com o Sistema Nacional de Emprego (Sine). Entre os resultados quantitativos, o estudo aponta o crescimento de 20% no volume de oferta de microcrédito entre o primeiro semestre de 2013 e o primeiro semestre de 2014. Nesse período, os recursos ofertados chegaram a R$ 6,45 bilhões. O número de atendidos no período da pesquisa aumentou 19% e chegou a 4,7 milhões de pessoas.

“A pesquisa foi dirigida principalmente aos agentes de crédito, mais do que aos próprios clientes, que muitas vezes não conhecem os instrumentos, nem tem noção das políticas dirigidas a eles", explica o diretor do DataUnB, José Angelo Belloni. Ele ressalta que os micro e pequenos empreendedores possuem grande responsabilidade e consciência no uso dos recursos, honram seus compromissos, e têm baixa taxa de inadimplência, mas nem sempre buscam apoio para criar um empreendimento.

"Eles não fazem parte do público normal de um banco ou mesmo das cooperativas de crédito, por isso o governo precisa empreender uma busca ativa, indo até os locais de moradia e trabalho para conversar, mostrar as alternativas de credito, as oportunidades e convencê-los da possibilidade de empreender”, ressalta.

De acordo com o ministro Manoel Dias, “o microcrédito produtivo atinge diretamente aquelas pessoas que mais precisam da atenção do Estado e que precisam ser orientadas, guiadas”, declarou. “Esse é um programa de grande alcance social, pois as pessoas atingidas pelo programa vão multiplicar os efeitos, criando empregos, produzindo renda e reproduzindo conhecimentos”, avaliou. Dias declarou ser fundamental que o País incentive políticas que priorizem esse setor e permitam a inclusão e a formalização de todos os trabalhadores.

Programa

Durante os 8 anos de atuação, cerca de 14 milhões de microempreendedores tiveram acesso ao microcrédito produtivo orientado, com R$ 24 bilhões concedidos em crédito. Os números refletem a ação de uma rede de organizações habilitadas, que informam seus resultados trimestralmente, por meio de um sistema de coleta de informações geridos pelo MTE. Os relatórios estão disponíveis no endereço eletrônico.

Os pesquisadores reuniram dados de 118 instituições ligadas ao microcrédito, como cooperativas, Oscips, sociedades de crédito e bancos. Todos os segmentos apresentaram expectativas positivas para o crescimento do setor nos próximos cinco anos.

Fonte: Portal Brasil