ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Preços dos alimentos recuam pelo terceiro mês seguido, lembra Fazenda

Preços dos alimentos recuam pelo terceiro mês seguido, lembra Fazenda

Publicado no dia 08 de Setembro de 2014
Image

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, destacou nesta sexta-feira (5), o bom comportamento dos preços de alimentos e bebidas que, pelo terceiro mês consecutivo, apresentaram deflação, de acordo com o IPCA divulgado esta manhã. “Isso é muito importante para a inflação da população de renda menor, dado que observamos uma queda generalizada entre os produtos de alimentação”.

Para Holland, nos próximos meses a inflação deve apresentar comportamento benigno, particularmente quando comparada ao mesmo período do ano passado. “Indicando que a inflação, não só na nossa visão, mas dos analistas com que temos conversado, convirja para um valor muito próximo de 6% este ano”.

A inflação de alimentos acumula o percentual de 4,76% até agosto contra 5,68% no mesmo período do ano passado. Para o secretário, a queda na inflação de alimentação e bebidas deve ajudar de forma relevante o processo de recuperação da confiança dos consumidores. “Já estamos observando isso acontecer e esse processo deve persistir ao longo dos próximos meses”.

Outro fator que deve contribuir para a acomodação futura da inflação de alimentos é o índice de preços agrícolas no atacado. “O IPA-DI agrícola vem manifestando comportamento muito benigno, com deflação na maioria dos itens, portanto os consumidores deverão se beneficiar da inflação desses produtos”, afirmou Holland.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) medido pelo IBGE, teve alta de 0,25% em agosto e atingiu 6,51% na soma dos últimos 12 meses. Na avaliação do secretário, a inflação no acumulado de 12 meses se mantém estável em relação a julho.

Holland também deu ênfase à redução significativa, mês após mês, no índice de difusão da inflação. “Isso indica a efetividade da política econômica voltada para o combate à inflação colocada em prática ao longo dos últimos meses”, afirmou.

Preços monitorados

De acordo com o Secretário, a inflação de preços monitorados acumula reajuste de 5,6% no ano até agosto, com alta de 0,39% e 0,51% nos últimos dois meses. “Os produtos de responsabilidade do Ministério da Fazenda seguem um calendário e metodologia própria de reajuste, como é o caso dos planos de saúde, farmacêuticos, correios e loterias”, afirmou. A tarifa de energia elétrica acumula uma alta de 11,66% neste ano, de janeiro a agosto.

Em relação ao teto da meta da inflação, o secretário afirmou que não existe resultado mês a mês. O regime de metas, em todos os lugares do mundo onde é adotado, se refere ao ano-calendário. O importante, destacou, é que o resultado chegue a dezembro dentro da meta fixada pelo governo.

“A inflação pode ultrapassar o teto da meta ao longo do ano, o importante é fechar o ano com ela controlada”, afirmou Holland. “A inflação no Brasil esta sob controle há dez anos consecutivos. E permanecerá dentro da meta anunciada”, completou.

Fonte: Portal Brasil